Follow by Email

Total de visualizações de página

Sou muito humorado. Se bem ou mal, depende da situação...

Em 1989 o HIV invadiu meu organismo e decretou minha morte em vida. Desde então, na minha recusa em morrer antes da hora, muito aconteceu. Abuso de drogas e consequentes caminhadas à beira do abismo, perda de muitos amigos e amigas, tratamentos experimentais e o rótulo de paciente terminal aos 35 quilos de idade. Ao mesmo tempo surgiu o Santo Graal, um coquetel de medicamentos que me mantém até hoje em condições de matar um leão e um tigre por dia, de dar suporte a meus pais que se tornaram idosos nesse tempo todo e de tentar contribuir com a luta contra essa epidemia que está sob controle.



Sob controle do vírus, naturalmente.



Aproveite o blog!!!



Beto Volpe



quarta-feira, 20 de junho de 2012

Uma lufada que abalou São Paulo 2 - O retorno


Descrição da imagem: foto do candidato do PT à prefeitura de SP ladeado por Lula e Maluf, super sorridentes e apertando as mãos, tendo ao fundo um jardim. Quem será o fruto proibido dessa história?


Traição é quando alguém em quem você confia contraria o pacto estabelecido e te fere de alguma forma. Dizem que quando isso acontece pela segunda vez, é burrice ou quem foi traído o fez por merecer. Não é a primeira vez que o PT decepciona suas fileiras ao, literalmente, abrir as pernas para setores que representam tudo contra o que lutara no passado.

Primeiro vieram as alianças com partidos que predominam nas bancadas evangélica e ruralista do Congresso Nacional, em nome da governabilidade. Os resultados negativos já começaram a ser sentidos pelas populações mais estigmatizadas de nossa sociedade que, sem força política efetiva, assistem a um grande retrocesso em políticas públicas que têm por objeto a dignidade humana, princípio de nossa Constituição Federal. 

Agora o país quedou estarrecido ao ver estampado na mídia um aperto de mãos jamais cogitado por qualquer cidadão alheio aos podres meandros da política partidária. Lula e Maluf, símbolos do antagonismo nos anos de chumbo da ditadura militar, selaram a união de seus partidos, batizada com a usual troca de interesses: um cargo no governo federal por pouco mais de um minuto de propaganda eleitoral.

Quanta tristeza, meu Deus. Meus pais malufistas não conseguem disfarçar o sorriso irônico e eu, o meu constrangimento e minha decepção. Fico imaginando, apesar de não acreditar nessa possibilidade, Silas Malafaya e Jean Willys se abraçando pelo pacto de esquecermos o PL 122 em troca de menos violência nos discursos religiosos. Tudo bem o Serra também ter disputado o apoio do ex congressista pela Aliança Renovadora Nacional - ARENA - braço político dos generais de plantão no poder. Eles são e sempre foram farinha do mesmo saco e a Opus Dei, braço político da Igreja Católica, governa o estado de São Paulo há tempos. Mas... O Partido dos Trabalhadores?

Erundina, você foi e está sendo o balizamento ético dessa situação. Parabéns por sua atitude e, se você sair para governadora, terá todo meu apoio. Outra má lufada está abalando São Paulo, agora sob as bênçãos de uma esquerda cada vez mais destra. E isso não dá para engolir, assim como qualquer traição.

PT, saudações.

Beto Volpe

Nenhum comentário:

Postar um comentário