Follow by Email

Total de visualizações de página

Sou muito humorado. Se bem ou mal, depende da situação...

Em 1989 o HIV invadiu meu organismo e decretou minha morte em vida. Desde então, na minha recusa em morrer antes da hora, muito aconteceu. Abuso de drogas e consequentes caminhadas à beira do abismo, perda de muitos amigos e amigas, tratamentos experimentais e o rótulo de paciente terminal aos 35 quilos de idade. Ao mesmo tempo surgiu o Santo Graal, um coquetel de medicamentos que me mantém até hoje em condições de matar um leão e um tigre por dia, de dar suporte a meus pais que se tornaram idosos nesse tempo todo e de tentar contribuir com a luta contra essa epidemia que está sob controle.



Sob controle do vírus, naturalmente.



Aproveite o blog!!!



Beto Volpe



segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

O Todo Poderoso

Pessoal, compartilho com vocês um pedido de desculpas que devo ao diretor do Departamento Nacional de AIDS.
Beto Volpe


Há poucos meses troquei algumas mensagens via Facebook com o Dr. Fábio Mesquita, diretor do Departamento Nacional de DST/AIDS/Hepatites Virais, por conta de uma publicação desastrosa do GAPA de Santos que ostentava uma camisinha aureolada e associava o conceito de pureza a não ter HIV, o que implicaria que quem vive com ele seria impuro, segundo o raciocínio lógico puro. Para minha surpresa, ele me disse nessa conversa que havia achado o folheto 'bunitinho' e que essa associação entre camisinha e a 'coisa santa' teria sido uma grande sacada. Após algumas mensagens com ideias distintas sobre o tema e eu ter dito que aquela atitude me causava espanto, ele me confidenciou que havia ficado ofendido por eu tê-lo chamado de nazista em um artigo que eu havia publicado, já havia um tempo. (leia aqui)

Pois é, reconheço meu erro e peço mil desculpas por tê-lo ofendido ao comparar seus métodos à frente do DN aos utilizados pelo velho Adolf na Alemanha nazista. Deveriam ser comparados aos de Deus, mesmo, pois a Onisciência é uma de suas mais sublimes características, uma vez que dispensa a opinião da sociedade civil, rejeita de forma veemente o parecer Conselho Federal de Psicologia e anuncia para fevereiro o início da estratégia de auto teste de HIV em farmácias e postos dos correios, sem qualquer atenção profissional em momento tão delicado.

Não conheço uma pessoa sequer que tenha recebido o resultado do teste e não tenha sentido o chão sumir sob seus pés. Certa ocasião, durante um congresso nacional da área, eu e um grupo de ativistas estávamos próximos a um stand ostentação da estratégia Fique Sabendo, onde o teste é realizado e alguns minutos depois o resultado é entregue à pessoa. E vimos um rapaz saindo de lá visivelmente abalado, andando sem rumo, o que nos levou a abordá-lo e perguntar se ele estava se sentindo bem:

- Estou com AIDS e vou morrer.

Esse cara era um profissional de saúde que trabalhava na área de AIDS, tinha informações sobre tratamento, direitos humanos e tudo que se tem à disposição para enfrentar a infecção... e seu chão sumiu. Não há estudos sobre o impacto que uma notícia dessas pode produzir nas pessoas diagnosticadas com HIV, mas em estudo realizado em 2010 pela Faculdade de Medicina da USP concluiu que 81% das mulheres que recebem o diagnóstico de câncer de mama desenvolvem os sintomas de Estresse Pós Traumático. O que leva o Altíssimo a pensar que com AIDS isso seria diferente, ainda mais se levarmos em conta todos os estigmas que cercam a enfermidade e que voltam a imperar na sociedade brasileira pela absoluta falta de ações de visibilidade da epidemia pelo mesmo DN?


Não somos somente nós, que vivemos com HIV e os pesquisadores da USP, que temos uma abordagem bem crítica com relação a essa iniciativa. O próprio Conselho Federal de Psicologia mostrou-se extremamente preocupado com essa estratégia e lamentou sua retirada desse processo. Em outras palavras, o Senhor excomungou o CRP de sua igreja, que reza pela cartilha do enfrentamento biomédico da AIDS, excluindo qualquer ação ou pesquisa sobre seus impactos sociais nos brasileiros. O Rei dos Reis justifica que existem estudos feitos no hemisfério norte que apontam para o sucesso dessa iniciativa em países da Europa e nos Estados Unidos e que não seria necessária uma produção 'tupiniquim' de conhecmentos. Ops, peço perdão por outra heresia minha, Vossa Potestade não tem que justificar nada, apenas ordenar seu Mandamento Único, que é 'Testarás a qualquer preço'.

Ó, Adonai, o que lhe faz crer que a realidade brasileira é a mesma encontrada no lado brilhante da Terra? Aqui é o lado obscuro do planeta, onde a discriminação contra tudo só aumenta, os desmandos são a tônica do poder e a solução prática se sobrepõe à solução estudada dos problemas. Basta ver o número de assassinatos e suicídios diante de situações aparentemente banais. Além disso, o Brasil vem apresentando resultados desastrosos tanto na área de prevenção, pois continua produzindo mais de trinta e três mil diagnósticos positivos para o HIV, além de haver decuplicado o número de infecções entre jovens de Salvador em apenas um ano. Aumentar dez vezes o número de jovens infectados já seria um absurdo se acontecesse em dez anos, mas o Senhor faz de conta que nada vê e continua tentando achar uma saída para os problemas que Ele agravou à frente das ações governamentais de luta contra a AIDS no Brasil.

Fico imaginando, ó Javé, uma pessoa abalada emocionalmente por uma dúvida com relação ao ex namorado ou ex namorada e que comprou o teste na farmácia. É uma noite chuvosa de segunda feira e, em seu minúsculo apartamento no décimo andar, essa pessoa fica sabendo que, além de ter tomado um baita chifre, havia contraído o vírus HIV. Não há ninguém ali para lhe dar um apoio, um esclarecimento ou mesmo um silêncio de cumplicidade. Apenas o copo com meia dose de Campari e uma janela aberta no décimo andar para a solução de todos os problemas, afinal, essa é a vontade de Deus.

Ó, Pai... Por que nos abandonaste?

Beto Volpe

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Adolescente transexual se suicida nos EUA e deixa carta: "Consertem a sociedade"

Pessoal, é com muito pesar que compartilho mais essa tragédia.
Beto Volpe



Leelah Alcorn foi atropelada e escreveu em sua carta suicida que o alívio que sentiu ao descobrir o que era transexualidade acabou quando sua mãe a censurou: "Deus não comete erros"

Bem cedinho na manhã de domingo (4), Leelah Alcorn andou seis quilêmtros de sua casa, em Ohio, até a estrada interestadual 71, onde se jogou na frente de um caminhão e morreu atropelada. O que de início pareceu um trágico acidente se revelou suicídio quando uma carta da adolescente transexual foi encontrada em sua conta no Tumblr.
Aos 17 anos, Leelah dizia: "Por favor, não fique triste, vai ser melhor. A vida que eu teria vivido não vale a pena viver... Porque eu sou transexual." Ela, que nasceu Joshua Alcorn em uma família cristã conservadora, continua a carta suicida dizendo que dos 4 aos 14 anos se sentiu uma menina presa no corpo de um menino. Aos 14, quando entendeu o conceito de transexualidade, sentiu um alívio incrível, por ver que existia, sim, um lugar para ela no mundo.
Porém, quando ela contou isso aos pais, a mãe reagiu negativamente. "Ela disse que era uma fase, que eu nunca seria verdadeiramente uma menina, que Deus não comete erros e que eu estava errada".
Leelah conta que seus pais a tiraram da escola e a proibiram de usar mídias sociais. Totalmente isolada, ela teve uma depressão profunda."Se você está lendo isso", ela pediu. "Por favor, não diga isso para os seus filhos. Mesmo se você for cristão ou contra pessoas trans, nunca diga isso que para alguém, especialmente seu filho. Não vai levar a nada, a não ser fazê-los odiar seus pais. Foi exatamente o que aconteceu comigo."
Em outro trecho da carta, ela afirma: "Nunca vou ser feliz com minha aparência ou minha voz. Nunca vou ter amigos suficientes. Nunca vou ter amor suficiente para me satisfazer. Nunca vou encontrar um homem que me ama."
HOMEM SOLITÁRIO OU MULHER QUE SE ODEIA
Ela segue sua carta antecipando um futuro terrível para si mesma, da maneira que fosse. "Vou viver o resto da minha vida como um homem solitário, que deseja que fosse uma mulher, ou como uma mulher mais solitária ainda, que se odeia. Não há como vencer. É uma rua sem saída."
Ela decide se matar e faz um pedido: que sua morte não seja em vão. "Só vou descansar em paz se um dia as pessoas transexuais não forem tratadas da maneira que eu fui. Eles merecem ser tratados como seres humanos, com sentimentos válidos e direitos humanos", escreveu ela.
Mais do que para as famílias, ela deixou um pedido voltado para as escolas também. "A questão de gênero tem de ser ensinado nas escolas, quanto mais cedo melhor. Minha morte deve significar alguma coisa. Minha morte precisa ser somada ao número de pessoas transexuais que cometerem suicídio este ano. Eu quero alguém para olhar para esse número ... e corrigi-lo. Consertem a sociedade.Por favor."
Os colegas da Kings High School fizeram uma vigília que reuniu mais de 300 pessoas e a carta provocou uma grande movimentação on-line. Agora é tarde. Porém, dois meses antes de morrer, Leelah escreveu um pedido de ajuda em um fórum do site Reddit: "Por favor me ajudem. Não sei o que fazer. Não sou agredida fisicamente, mas sinto que sofro outro tipo de abuso, verbal ou mental. Não vou suportar isso por muito mais tempo."
Fonte: iGay