Follow by Email

Total de visualizações de página

Sou muito humorado. Se bem ou mal, depende da situação...

Em 1989 o HIV invadiu meu organismo e decretou minha morte em vida. Desde então, na minha recusa em morrer antes da hora, muito aconteceu. Abuso de drogas e consequentes caminhadas à beira do abismo, perda de muitos amigos e amigas, tratamentos experimentais e o rótulo de paciente terminal aos 35 quilos de idade. Ao mesmo tempo surgiu o Santo Graal, um coquetel de medicamentos que me mantém até hoje em condições de matar um leão e um tigre por dia, de dar suporte a meus pais que se tornaram idosos nesse tempo todo e de tentar contribuir com a luta contra essa epidemia que está sob controle.



Sob controle do vírus, naturalmente.



Aproveite o blog!!!



Beto Volpe



quinta-feira, 7 de junho de 2012

Parada Gay de São Paulo terá policiais infiltrados

A iniciativa é ótima mas... doze? Pra três milhões?

Descrição da imagem: Ai, como descrever tamanha formosura? Bem, duas trans e uma bill unifomizadas, caminhando no meio da rua entre casarões seculares, super felizes e com cara de dever cumprido...

Medida tem o objetivo de prevenir violência contra homossexuais
No Anhangabaú, feira terá oficina para drag queen, shows e orientação jurídica contra homofobia 
A Parada Gay, no domingo, terá 12 policiais da Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância infiltrados no público para coibir agressões a homossexuais. "Se os policiais identificarem alguém de um grupo radical, a pessoa será abordada e monitorada durante o evento", afirmou o delegado Arlindo José Negrão. O alvo da operação são os skinheads, frequentemente envolvidos em casos de violência contra gays e lésbicas. 

A partir de 10h de hoje, vítimas do preconceito contra homossexuais poderão fazer denúncias na Feira Cultural LGBT, que acontece no Vale do Anhangabaú, centro. A ação da Secretaria da Justiça do Estado terá a participação de oito defensores públicos, que darão orientação jurídica sobre a lei que pune a homofobia em São Paulo.

Na mesma feira, haverá uma oficina de criação de drag queens. Passo a passo, "eles" se transformarão em "elas". Levarão cerca de 40 minutos só para fazer a maquiagem especial. Em outros 20 minutos, colocam a meia-calça, calcinha, corpete, roupas, salto alto e a peruca. Quem ministra a oficina é a dupla Dindry Buck e Sissi Girl, que atuam juntas há 13 anos. (Elas não revelam a idade, porque "drag é atemporal", segundo Dindry.). Além de oficinas, entre as 14h e as 17h30, a feira terá 120 tendas com comércio voltado para o público LGBT e shows. 

Fonte: FolhaSP

Nenhum comentário:

Postar um comentário