Follow by Email

Total de visualizações de página

Sou muito humorado. Se bem ou mal, depende da situação...

Em 1989 o HIV invadiu meu organismo e decretou minha morte em vida. Desde então, na minha recusa em morrer antes da hora, muito aconteceu. Abuso de drogas e consequentes caminhadas à beira do abismo, perda de muitos amigos e amigas, tratamentos experimentais e o rótulo de paciente terminal aos 35 quilos de idade. Ao mesmo tempo surgiu o Santo Graal, um coquetel de medicamentos que me mantém até hoje em condições de matar um leão e um tigre por dia, de dar suporte a meus pais que se tornaram idosos nesse tempo todo e de tentar contribuir com a luta contra essa epidemia que está sob controle.



Sob controle do vírus, naturalmente.



Aproveite o blog!!!



Beto Volpe



terça-feira, 20 de agosto de 2013

Mensagem de uma amiga na Espanha

Uma amiga escreveu a seguinte mensagem para Beatriz Pacheco que me repassou, pois eu conheço a garota que a escreveu. A resposta para a pergunta final não quer calar, bem como a ponderação ao final do último parágrafo.
Beto Volpe
 
Descrição da imagem: duas mãos juntas em concha segurando um monte de comprimidos azuis, brancos e amarelo.
 
 
"Queria te contar que a médica do Carlos mexeu na terapia dele, ele fazia uso de Kaletra e Truvada, ela disse que aqui na Europa pacientes que estão com carga indetectável há 10 anos ou mais e CD4 muito alto eles estão deixando apenas com um medicamento, no caso do Carlos ela deixou apenas o Kaletra e cortou o Truvada.
 
Claro que tudo isso acompanhando, ele ficou assim um mês e fez exames, a carga continuava indetecável porém o CD4 que nunca passava de 850/900 subiu para 1025!!! Ela disse que estão fazendo assim na Europa principalmente pelos efeitos colaterais de longo prazo, quanto menos drogas melhor, desde que se obtenha resultados de excelencia.
 
A médica disse que se alterasse algo para pior voltariam ao de antes e tudo seguiria igual. No começo fiquei apreensiva mas ele tá muito bem e com este CD4. Aqui não existem medicamentos genéricos retrovirais, são todos originais dos laboratórios, o Carlos se sente melhor com eles (menos indisposição ou enjôos, não sei se tem a ver...).
 
No Brasil está sendo feito isso, sabes algo?"

Nenhum comentário:

Postar um comentário