Follow by Email

Total de visualizações de página

Sou muito humorado. Se bem ou mal, depende da situação...

Em 1989 o HIV invadiu meu organismo e decretou minha morte em vida. Desde então, na minha recusa em morrer antes da hora, muito aconteceu. Abuso de drogas e consequentes caminhadas à beira do abismo, perda de muitos amigos e amigas, tratamentos experimentais e o rótulo de paciente terminal aos 35 quilos de idade. Ao mesmo tempo surgiu o Santo Graal, um coquetel de medicamentos que me mantém até hoje em condições de matar um leão e um tigre por dia, de dar suporte a meus pais que se tornaram idosos nesse tempo todo e de tentar contribuir com a luta contra essa epidemia que está sob controle.



Sob controle do vírus, naturalmente.



Aproveite o blog!!!



Beto Volpe



quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Dança dos Famosos

Descrição da imagem: mão levantando malandramente a ponta de um tapete e varrendo a sujeira para debaixo,

"Artigo publicado na edição de hoje do diário 'A Tribuna do Litoral Paulista';


A morte de Rodolfo Bottino pegou a todos de surpresa. Havia muito tempo que um famoso não morria com AIDS, ao menos publicamente. Isso foi rotina no início dos tempos, quando não havia muito que fazer e menos ainda onde se esconder, de Rock Hudson até Sandra Bréa e Cazuza muitos foram aqueles que tombaram sem saber direito o que estava acontecendo. Com a chegada do coquetel as duas necessidades foram supridas, finalmente havia um tratamento eficaz e a invisibilidade virou uma opção sedutora, face ao preconceito que não tem fim.

Não obstante a resposta científica ser eficaz, sua segurança sempre foi colocada em questão por vários motivos como a alta potência dos medicamentos e a celeridade de sua aprovação  nos anos 90. E após a lua de mel com a ciência, as pessoas com HIV se depararam com cânceres, acidentes cardiovasculares, danos ósseos, demência  e outras doenças relacionadas à terceira idade. Os ativistas em direitos humanos que vivem com HIV também perceberam que entre eles o quadro era o mesmo e, ainda assim, nenhuma providência eficaz foi tomada pela sociedade civil organizada em AIDS para pressionar o governo a estudar melhor o assunto. E este fez ouvidos moucos e continuou a propagandear o melhor programa de AIDS do mundo.

 Até que um estudo do ano passado realizado pela UFRJ demonstrou que as pessoas com HIV estão morrendo mais de causas não determinantes de AIDS do que da própria doença, mas que certamente estariam relacionadas a ela. Isso porque a evolução de óbitos por problemas cardiovasculares e cânceres entre a população em geral ficou em 0,8% ao ano, ao passo que entre pessoas com HIV esse crescimento foi acima de 8%. Outro estudo, este do Hospital das Clínicas da USP de 2009, relata que a necrose óssea, que pode levar a pessoa a uma situação de deficiência, tem uma incidência de 4% entre pessoas com HIV ao passo que entre a população é de 0,01% . Enfim, em junho deste ano a revista Nature Genetics publicou estudo britânico evidenciando que os medicamentos aceleram o envelhecimento por conta dos danos causados ao DNA da mitocôndria. Não com essa riqueza de saber , mas é exatamente o que vimos dizendo há pelo menos dez anos.

E o que a morte de Bottino tem a ver com isso? Tudo. Ele sofreu uma embolia (cardiovascular) em um pré-operatório para uma cirurgia no quadril (osteonecrose). Ele foi mais um que não teve o CID determinante de AIDS em seu atestado de óbito, mas que teve nela sua causa primária. Se estivermos morrendo mais de efeitos colaterais do que de AIDS são pelo menos onze mil mortes diluídas na epidemiologia, a reforçar o pior estigma que se poderia adotar em AIDS: o de que ela está sob controle. Enquanto isso as disciplinas médicas que antes atendiam a um público acima de 60 anos agora não sabem ao certo o que fazer com jovens na menopausa ou com disfunção erétil, quando não com uma grave patologia que, associada ao quadro de AIDS, eleva as perdas de amigos e amigas no dia a dia dos serviços de saúde.

Bottino querido, você talvez seja nosso Rock Hudson, nossa Sandra Bréa, nosso Cazuza. Quem sabe sua passagem acontecendo nessas circunstâncias leve essa discussão para onde deveria estar há tempos e que as atitudes não tardem. Quem sabe você não seja o primeiro de uma série de famosos que ainda jovens irão apresentar problemas cardiovasculares, linfomas, embolias e outras doenças da longevidade. A dança dos famosos, que um dia foi a mais tocada nos salões de baile da epidemia, voltará a desafinar de forma a incomodar quem fica sentado nas mesas, ouvindo a orquestra tocar e esperando que a noite acabe.

Bottino, prepare uns bons Toucinhos do Céu para quando a gente chegar!

Beto Volpe
Ativista em Direitos Humanos na área da Saúde

7 comentários:

  1. Parabéns, Beto Volpe!
    Você é a pessoa mais capacitada para levantar e conduzir essa pauta. É isso!

    ResponderExcluir
  2. Há 12 anos atrás, com a anuência de um formando de psicologia da PUC-SP, Alê Santos, escrevi um artigo num jornal da Psico, "Psicanalha", alertando, que Postos de Saúde deveriam estar melhor preparados para diagnósticos mais precisos com relação aos portadores do vírus. Efeitos colaterais já estavam anunciados na "genese" dos coquetéis. Muito bom, Beto Volpe, parabéns! Essa discussão está atrasada, e deve ser feita com sensibilidade e profundidade.

    ResponderExcluir
  3. Olá Beto Volpe,
    Excelente a sua abordagem!!!
    No trato das discurssões relativas ao HIV/AIDS faz-se urgente que outra semântica seja usada. Interpretar e analisar a linguagem dos discursos hoje, requer o domínio do saber de outros códigos. Lendo os seus escritos eu me senti bastante contemplada, pois, lidar com os mitos linguísticos de um "Programa Nacional" do uso de uma "Terapia Anti-Retroviral" que são a excelência do momento, dá um sentimento de impotência tremendo! Chego a conclusão aqui, de que no trato da epidemia da AIDS tudo está pra se fazer, nada está pronto. São outros perfis, são outras dores e desalentos que surgem nos universos sombrios, simbólicos e imaginários dos que vivem a cada dia no seu corpo a realidade de estar com HIV/AIDS.
    Parabéns por sua iniciativa e coragem no trato desse assunto.
    Quanto ao Sr. Bottino, que ele seja lembrado por todos nós como alguém que se foi mas, que a sua ida, mesmo sendo dolorosa, faz renascer nos corações a vontade e a coragem de lutas mais intensas para respostas mais efetivas, verdeiras e eficazes. Eu sonho com um mundo humanizado, sem preconceitos, sem HIV/AIDS e cheio de amor para todos.
    Abraços em você.
    Miriam Fialho.

    ResponderExcluir
  4. Parabéns, amigo. Texto claro e preciso!

    ResponderExcluir
  5. Beto, mais uma vez você foi direto na veia. Realmente, o que mais tem matado hoje em dia nossos portadores, não são as consequencias da sindrome, e sim, as consequencias dos coquiteis. Muito bom seu texto,parabéns!

    ResponderExcluir
  6. Amei seu blog viu?! Acho sensacional a ideia de ajudar as pessoas atraves das nossas biografias. Somos tres amigos com algo em comum: o HIV. Eramos amantes, viramos amigos e hj somos quase uma familia, decidimos criar um blog pra tentar ajudar as pessoas com nossa historia, da uma passadinha lá viu ah e nos ivulgue se quiser. Bjao e feliz ano novo... http://redescobrindovhiver.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Maravilha de artigo, Beto! Como tudo que vc faz, muito bem escrito e informativo. Parabéns, meu amigo! E vamo que vamo!
    Anderson
    a.k.a NicelookingHIV32sp...hehehe!

    ResponderExcluir