Follow by Email

Total de visualizações de página

Sou muito humorado. Se bem ou mal, depende da situação...

Em 1989 o HIV invadiu meu organismo e decretou minha morte em vida. Desde então, na minha recusa em morrer antes da hora, muito aconteceu. Abuso de drogas e consequentes caminhadas à beira do abismo, perda de muitos amigos e amigas, tratamentos experimentais e o rótulo de paciente terminal aos 35 quilos de idade. Ao mesmo tempo surgiu o Santo Graal, um coquetel de medicamentos que me mantém até hoje em condições de matar um leão e um tigre por dia, de dar suporte a meus pais que se tornaram idosos nesse tempo todo e de tentar contribuir com a luta contra essa epidemia que está sob controle.



Sob controle do vírus, naturalmente.



Aproveite o blog!!!



Beto Volpe



sábado, 9 de julho de 2011

O pavão e o urubu.

Descrição da imagem: foto de pavão e de urubu lado a lado.

Conta uma antiga fábula indiana que um pavão vivia entristecido com a limitação de sua vida. Apesar de extremamente belo ele não tinha a liberdade de buscar outros mundos e de mudar seu caminho. Refletindo assim ele observava um urubu que voava livre pouco acima:

- De que me vale ser a referência em beleza no mundo animal se não tenho liberdade para escolher meu destino? Como eu gostaria de ser como o urubu, totalmente livre!

O que ele não sabia era que o urubu também estava insatisfeito com a condição que a evolução o havia imposto. Ele era livre, mas era muito feio e isso afastava os outros animais. E também refletia:

- Que vida, essa minha. Todo mundo que me vê logo associa a lixo e podridão. Como eu queria ser como o pavão, lindo e popular.

E, pensando assim, desceu à terra e foi conversar com o pavão para ver se algo poderia ser feito por ele. Surpresos ao saberrem da insatisfação de ambos eles confabularam, idealizaram soluções para suas vidas e chegaram à conclsão que nada poderia ser feito para melhorar a situação deles, mas seria possível fazer algo pela descendência e o pavão decretou:

- Se nós cruzarmos teremos filhotes lindos como eu e livres como você!

E nasceu o peru. Que não voa nadica e é feio pra cacete....

Descrição da imagem: peru com cara de véspera de Natal.
Moral da fábula: não tente fazer gambiarras com a natureza. Nunca vai dar certo, rsrsrs...

Behto Volpegandra

Um comentário: