Follow by Email

Total de visualizações de página

Sou muito humorado. Se bem ou mal, depende da situação...

Em 1989 o HIV invadiu meu organismo e decretou minha morte em vida. Desde então, na minha recusa em morrer antes da hora, muito aconteceu. Abuso de drogas e consequentes caminhadas à beira do abismo, perda de muitos amigos e amigas, tratamentos experimentais e o rótulo de paciente terminal aos 35 quilos de idade. Ao mesmo tempo surgiu o Santo Graal, um coquetel de medicamentos que me mantém até hoje em condições de matar um leão e um tigre por dia, de dar suporte a meus pais que se tornaram idosos nesse tempo todo e de tentar contribuir com a luta contra essa epidemia que está sob controle.



Sob controle do vírus, naturalmente.



Aproveite o blog!!!



Beto Volpe



domingo, 8 de dezembro de 2013

O falso bom combate

Para estudioso da Aids, campanhas foram interditadas no Brasil por força das bancadas religiosas

Monica Manir - O Estado de S. Paulo
De certa forma, Veriano Terto Jr. concorda com o slogan da campanha nacional para o combate à aids: "Para viver melhor, é preciso saber". É preciso saber que, nos últimos dias, uma pessoa próxima a ele perambulou por sete hospitais no Rio de Janeiro até ser internada de emergência quase nos estertores da doença. E que outra conhecida, também soropositiva, vagou por dias em unidades de saúde cariocas até a cegueira total. "Ela perdeu a visão pela inoperância do sistema", afirma, indignado, o professor da UFRJ. "É uma maratona macabra."
'O preconceito ainda é o grande obstáculo para enfrentar o vírus do HIV' - Navesh Chitarakar/Reuters
Navesh Chitarakar/Reuters
'O preconceito ainda é o grande obstáculo para enfrentar o vírus do HIV'
Nascido no Piauí e criado no Rio desde menino, Veriano Terto Jr. trabalha há quase um ano no Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Federal. Nos 23 anos anteriores, fez parte da Associação Brasileira Interdisciplinar de Aids (Abia). Acompanha, portanto, pari passu os programas de prevenção e tratamento da infecção no País. Na segunda-feira, pós-Dia Mundial de Combate à Aids, ele aprovou o protocolo que permite a adultos com HIV receber de graça os medicamentos antirretrovirais antes mesmo do primeiro sintoma. O que o angustia é prever que, com a expansão da oferta do tratamento, 100 mil pessoas a mais devem procurar um sistema de saúde acachapado, e que ainda estigmatiza os pacientes. Fora que as campanhas de governo - "de qualquer governo" - não atingem quem têm de atingir nesse caso: o jovem homossexual.
"Há um clima de pânico conservador, não se pode falar mais nada que venha a irritar a bancada evangélica", diz Veriano. Ele lembra, nesta entrevista, de campanhas e kits que foram deixados para trás. Afirma que nos anos 1990 fomos mais ousados para falar de sexo. Critica quem deseja criminalizar as pessoas que passam o vírus adiante. Duvida que homossexuais, prostitutas e usuários de drogas, os mais vulneráveis à aids, sejam citados em qualquer campanha eleitoral. "Os candidatos vão, sim, falar de direitos humanos, vão pregar a igualdade, mas não vão tocar no nervo."
Estamos na vanguarda no tratamento da aids, como disse o Ministério da Sáude?
Depende do que tu tá chamando de tratamento. Se for o acesso a medicamentos antirretrovirais, sim, nós somos vanguarda. Se pensar na saúde integral da pessoa com HIV-aids, não, não somos vanguarda. Podemos ser vanguarda na política, mas no dia a dia, não. Repare em todas as necessidades que uma pessoa com HIV exige. A rede não consegue atender bem em nenhum dos três níveis - de baixa, média e alta complexidade. Como inserir 100 mil novos pacientes quando não se consegue encaminhar a internação de uma pessoa já doente, com tudo protocolado?
O estigma continua prejudicando o tratamento da doença?
As últimas conferências internacionais de aids confirmaram que ele ainda é o grande obstáculo para o enfrentamento do HIV. Qualquer diretriz nova, como essas de prevenção que estão sendo propostas, deve ser acompanhada de fortes ações de combate e enfrentamento do estigma relacionado não só à própria aids, mas também às questões à volta, como homossexualidade, uso de drogas, prostituição, sexo fora do casamento, sexo na juventude, temas entre aspas meio malditos para certos grupos e que acabam criando uma inibição muito grande no ministério. Nos anos 1990 tivemos campanhas mais ousadas - aquela do Bráulio, por exemplo. Se comparar agora, não tem uma sequer.
Fala-se menos hoje em sexo do que se falava na década de 1990?
Efetivamente, um clima de pânico começa a vigorar neste país. Não se pode falar mais nada que venha a irritar a bancada evangélica no Congresso. E não são só os evangélicos. Há certos políticos que usam as religiões como forma de legitimar seus posicionamentos conservadores diante de certos temas, quando isso não tem nada a ver com religião. Veja a censura ao kit anti-homofobia, que tinha o aval da Unesco e da Unaids. Isso mostra qual é a política de saúde sexual para falar com os jovens.
O Ministério da Saúde incluiu neste pacote de ações uma campanha nacional para o combate à aids com o slogan "Para viver melhor, é preciso saber". Quer dialogar exatamente com os jovens, que têm se mostrado menos sensíveis aos riscos da doença. Acha que agora acertaram o foco?
De novo, temos que ver de que jovens estamos falando. Como o próprio ministério reconhece, a situação mais dramática é entre os jovens homossexuais. Mas, ao mesmo tempo que o ministério admite o crescimento agudo da doença nessa população, ela tem recebido muito pouca atenção em termos de programa de prevenção e de educação sexual. Um exemplo? A campanha de carnaval de 2012, que era destinada a eles e foi censurada. Ela mostrava dois meninos jovens conversando, numa sugestão de paquera. Então vinha uma fadinha, como a de um desenho animado, e botava a camisinha na frente deles. Por pressão da bancada evangélica, o governo cedeu e essa campanha foi censurada depois de já ter sido lançada na quadra da escola de samba da Acadêmicos da Rocinha, na zona sul do Rio de Janeiro. Nessa cerimônia foram exibidos quatro vídeos, que seriam veiculados nas redes de TV nacionais, sendo três antes do Carnaval e um após.
Há quem atribua o não uso da camisinha pelos jovens de hoje ao fato de essa geração não ter vivido o início do enfrentamento da aids. Ela não viu artistas, esportistas nem parentes morrendo com a doença. Concorda com essa avaliação?
Não é uma coisa tão simples. Não basta saber que tem que usar preservativo, mas se tem acesso a ele, em que condições, o que está pensando sobre ele. As pessoas não usam ou deixam de usar camisinha simplesmente por razões racionais. Faltam mais campanhas específicas para essa população, principalmente nos níveis estadual e municipal. A educação sexual nas escolas também estancou. A gente não tem avançado na educação em geral - e aí a educação sexual também não avança.
Existe rejeição na comunidade gay em relação aos soropositivos homossexuais?
Sim, o estigma perpassa os grupos afetados. É resultado também da falta de campanhas dentro da própria comunidade. Há diferentes maneiras de reagir à presença da doença dentro dos LGBT. Nos grupos mais organizados de homossexuais masculinos, por exemplo, existe certa tensão sobre como incluir a aids nas pautas do movimento. Será que falar da doença reforçaria o estigma "aids igual homossexualidade"? Não há consenso sobre isso. De qualquer forma, esses grupos ainda não se apropriaram das novas perspectivas, dos novos métodos, até porque a agenda do movimento está muito orientada para o direito ao casamento igualitário, à adoção. A aids acaba ficando um pouco atrás. Por outro lado, é interessante ver que as lésbicas pressionam o Ministério da Saúde para receberem mais informações e prevenção ao HIV-aids, ainda que, epidemiologicamente, a aids não seja algo tão expressivo entre mulheres que fazem sexo com mulheres. Já no caso das travestis, outra das letras do LGBT, a situação é muito grave. Se é difícil para uma pessoa não travesti ter acesso à rede pública de tratamento, imagine para uma travesti.
A proposta de oferecer o medicamento a soropositivos que não desenvolveram a doença poderia sobrecarregá-los com efeitos colaterais?
Concordo com a proposta de não esperar os sintomas, desde que o soropositivo seja informado dos benefícios que esse tratamento precoce pode trazer, assim como dos efeitos colaterais e efeitos adversos, que aliás não são a mesma coisa.
Qual a diferença?
Os adversos são os efeitos ruins, como enjoo, intolerância ao medicamento, um problema estomacal e intestinal ou coisa assim. Um efeito colateral pode ser sentir-se mais doente porque está tomando um medicamento. Mas um efeito colateral também pode ser um efeito bom. Ter menos potencial de transmissão de HIV para outra pessoa, por exemplo, traz benefício para a sexualidade do outro e para o soropositivo. Ele vai se sentir mais tranquilo. Muito soropositivo para de transar, mesmo que se previna, porque não aguenta a pressão de se achar um vírus ambulante, uma bomba viral que pode infectar de qualquer jeito. Uma informação mais completa sobre todos os efeitos clínicos pode inclusive estimular uma adesão maior ao tratamento.
Você é a favor de criminalizar quem possa vir a passar o vírus para alguém?
Não. Saúde pública, quando tratada como lei criminal, tal qual o aborto e as drogas, não dá certo. Reforça o preconceito, afasta as pessoas da ajuda, do sistema de saúde, aumenta a possibilidade de violação dos direitos humanos. Vai ficar muito difícil erradicar a epidemia porque tu vai ter pessoas cada vez mais buscando se esconder. Elas se sentirão potenciais criminosos, e gente perigosa tem que andar clandestina. Não vai ajudar em nada.
Ainda vigora o barebacking (sexo desafiador sem o uso de camisinha)?
Ele é muito mais evidente nos Estados Unidos, embora o nome tenha chegado ao Brasil. Tem gente por aqui inclusive dizendo: "Transei sem camisinha duas vezes neste ano, fiz barebacking". Não é barebacking. Barebacking não pode ser confundido com um fenômeno de sexo desprotegido. Ele é um posicionamento quase que crítico frente às questões de prevenção. São grupos que resolveram desafiar o discurso da camisinha adotando não só o sexo desprotegido, mas outras práticas, como sexo mais orgiástico, com certos rituais. É um posicionamento ético, político, quase filosófico.
O que acha de o teste de HIV vir a ser vendido em farmácias? As pessoas aguentariam a notícia de um resultado positivo?
Imagino que aguentariam, assim como outras pessoas aguentam o tranco quando vão a um laboratório privado, fazem o teste e recebem o resultado pelo balcão ou pela internet. Se elas se jogam embaixo de um carro? Acho que não, senão teríamos mais notícias de suicídio. Se ficam deprimidas, a gente não sabe, mas as pessoas têm certa curiosidade em relação a isso e não querem ir ao SUS justamente pela inoperância e pela dificuldade que é. Agora, seria muito importante que o teste de farmácia informasse sobre como a pessoa pode recorrer para ter amparo, acolhimento e solução de dúvidas diante de um teste positivo. Algo como: procure o telefone tal, leve seu resultado para o endereço tal, que você será referenciado a um serviço de saúde especializado para exames complementares. Tem que ter.
O Rio Grande do Sul estaria vivendo uma epidemia de aids. A que se deveria a predominância de casos nesse Estado?
Tenho acompanhado algumas discussões sobre o Estado. Dos 20 municípios brasileiros mais afetados pelo HIV, 15 estão no Rio Grande do Sul, em especial na região metropolitana de Porto Alegre. Ainda aguardamos dados analíticos sobre essa incidência tão alta, mas temos algumas hipóteses. O Estado, durante a gestão da governadora Yeda Crusius, investiu muito poucos recursos na saúde, o que implicou um sério desmantelamento de programas de prevenção tanto governamentais quanto não governamentais. Também havia uma rede que atuava muito ostensivamente na prevenção em locais de encontro sexual e, em especial, de encontro homossexual, além de programas bem estruturados para a redução de danos. Mas, da metade da década passada para cá, esses grupos vêm fechando as portas, pararam por falta de apoio com o trabalho de prevenção.
Acredita que algum candidato nas próximas eleições toque na questão da aids e nos motivos que levam à sua disseminação?
Os candidatos podem até falar sobre aids, mas duvido muito que tratem dos temas quentes: a sexualidade, a prostituição, uma menção mais liberal ao uso de drogas. Principalmente os candidatos mais majoritários, mais centrais, não vão mexer nessa casa. Mesmo porque, voltando ao avanço conservador nas atitudes e valores, esse contexto não é uma coisa exclusiva do Brasil. A França, por exemplo, tem esse movimento forte contra a prostituição. Acho que os candidatos vão, sim, se dizer a favor da igualdade, vão falar de direitos humanos. Mas não vão tocar no nervo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário