Follow by Email

Total de visualizações de página

Sou muito humorado. Se bem ou mal, depende da situação...

Em 1989 o HIV invadiu meu organismo e decretou minha morte em vida. Desde então, na minha recusa em morrer antes da hora, muito aconteceu. Abuso de drogas e consequentes caminhadas à beira do abismo, perda de muitos amigos e amigas, tratamentos experimentais e o rótulo de paciente terminal aos 35 quilos de idade. Ao mesmo tempo surgiu o Santo Graal, um coquetel de medicamentos que me mantém até hoje em condições de matar um leão e um tigre por dia, de dar suporte a meus pais que se tornaram idosos nesse tempo todo e de tentar contribuir com a luta contra essa epidemia que está sob controle.



Sob controle do vírus, naturalmente.



Aproveite o blog!!!



Beto Volpe



sábado, 7 de dezembro de 2013

Nosso filho

Brilhante ironia de Gregorio Duvivier sobre o amor dos pais publicado hoje na FSP...
Beto Volpe

Descrição da imagem: silhueta de casal com filho de colo tendo ao fundo o pôr do sol, isso tudo dentro de um coração.

Deve ter havido algum engano. Nosso filho não pode ter sido reprovado. Aposto que foi nessas matérias que ninguém se importa. Matemática, por exemplo, é uma coisa muito subjetiva. Vocês estão dizendo que x não é igual a y. Se ele tá dizendo que é, aposto que é. Ou então, que ainda vai ser. Matemática é uma coisa que muda o tempo todo. Daqui a pouco tá lá na "Superinteressante": x agora é igual a y. Vocês vão ler e perceber: reprovaram o Marcelinho à toa. Imagina a vergonha de vocês.

Acho que vocês deviam levar em conta outros critérios. Por exemplo: ele tem muitos amigos. É querido por todos. Não. Eu não acredito nessa história que ele bateu num garoto. Deve ter sido um carinho. Um afago. É que ele tem a mão pesada. Às vezes parece porrada, mas é amor. Esse meu braço engessado, por exemplo, foi um abracinho.

Ele chamou a menina de piranha? Duvido. Quer dizer, pode ter chamado. Mas, pra começar, essa menina, no caso, é uma piranha. Eu sei que ela só tem sete anos. Mas todo o mundo sabe que ela é uma piranha. Ele me falou. Parece que ela já beijou três meninos. Agora é crime falar a verdade? Que mania de bullying. Tudo é bullying. Deve ter sido um stand-up. Nosso filho é um comediante nato. Hoje em dia, ninguém mais pode zuar uma criança piranha que as pessoas já chamam de bullying. Essa patrulha do politicamente correto tá deixando ele com as mãos atadas.

Quando ele diz que o amigo negro é um macaco, por exemplo, ele está fazendo uma piada. Não é racismo. Sabe por quê? Porque ninguém na família dele é racista. A gente aqui em casa ouve um pagode, assiste ao "Esquenta!", torce pelo Corinthians. Esse negócio de negro-macaco deve ter sido um stand-up que ele faz. Inclusive ele adora animais.

Sim, teve aquela vez em que ele cegou um gato. Sim, isso é verdade. Mas, pra começar, a gente não sabe o que o gato fez pra merecer aquilo. Ele é um garoto justo. A gente só tem a versão do gato. Provavelmente era um stand-up que envolvia cegar o gato. Hoje em dia, o comediante não pode mais fazer nenhuma piada cegando gato. Vai ver era um experimento, tipo Instituto Royal. Às vezes um gato precisa perder um olho pro mundo ganhar a cura do câncer.

Vocês têm que entender que não tá fácil pra ele. Ele tem sete anos e 18 processos nas costas. No sábado, ele faz três sessões de stand-up pra pagar as despesas com advogado. A agente dele me mata se eu contar pra ela que ele não passou.

Gregorio Duvivier é ator e escritor. Também é um dos criadores do portal de humor Porta dos Fundos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário