Follow by Email

Total de visualizações de página

Sou muito humorado. Se bem ou mal, depende da situação...

Em 1989 o HIV invadiu meu organismo e decretou minha morte em vida. Desde então, na minha recusa em morrer antes da hora, muito aconteceu. Abuso de drogas e consequentes caminhadas à beira do abismo, perda de muitos amigos e amigas, tratamentos experimentais e o rótulo de paciente terminal aos 35 quilos de idade. Ao mesmo tempo surgiu o Santo Graal, um coquetel de medicamentos que me mantém até hoje em condições de matar um leão e um tigre por dia, de dar suporte a meus pais que se tornaram idosos nesse tempo todo e de tentar contribuir com a luta contra essa epidemia que está sob controle.



Sob controle do vírus, naturalmente.



Aproveite o blog!!!



Beto Volpe



domingo, 1 de setembro de 2013

O pedófilo "coroné" Eduardo Gaievski, violador de "cabritinhas", parece com os amorais personagens dos livros de Jorge Amado

Pessoal, compartilho com vocês artigo denúncia sobre a presença de réu por pedofilia no núcleo do governo federal. É de dar nojo...
Beto Volpe
 
Descrição da imagem: o réu ladeado por Dilma e Gleisi.
 
Estou enojado com a história de pedofilia envolvendo o poderoso Eduardo Gaievski, ex-prefeito de Realeza e ex-cargo comissionado no quarto andar do Palácio do Planalto, andar de onde despacham as principais autoridades da República.
 
Fico a refletir sobre o fato deste país não mudar, de ver que a senzala é a mesma, e nela os filhos dos humildes continuam sendo vistos como mercadorias a bel prazer dos membros da elite, até de seus caprichos sexuais.
Neste país de moral feudal nos rincões soa como normal os velhos“coronés” correrem atrás das “cabritinhas”, coisa de livro do Jorge Amado retratando os amorais pedófilos tarados do passado, que em nada se diferenciam dos de hoje, que no poder continuam a ver o povo como se fosse gado, e eles continuam se se sentindo donos de gado e gente.
O “coroné” de Realeza, como consequência de seus atos, gerou o processo que traz 38 fatos com 23 vítimas. Com 17 meninas os crimes de abuso de incapaz teriam acontecido mais de uma vez.
 
Segundo a mídia ele está sendo processado por vários atos criminosos, entre eles por abuso de incapazes, como por ameaça e coação de vítimas e testemunhas, pois o acusado de pedofilia insistiu para que os depoimentos tivessem outras versões.
Outro fato que já foi apontado pelas testemunhas é o de incentivo a prostituição de menores, já que ele pagava pelos atos sexuais com dinheiro, e até com cargos na Prefeitura.
Para qualquer um ser nomeado para os cargos federais a Agência Brasileira de Inteligência (Abin), investiga profundamente a vida dos que estão para assumir funções de grande responsabilidade. Então a vida do Eduardo Gaievski, nomeado como assessor especial da pasta na Casa Civil, dirigida pela ministra Gleisi, foi anteriormente devassada, e assim com certeza quem o nomeou sabia muito bem quem estava contratando.
 
Mesmo que a ABIN não tivesse detectado os atos criminosos deste tarado, coisa impossível de ocorrer, o fato de que ele estava sendo processado era público, e com certeza o comando de seu partido tinha consciência do risco que este representava para a sociedade, para o governo e o próprio partido.
Os crimes foram cometidos em uma cidade pequena, onde todos sabem de tudo, os que comandam o partido em Realeza sabiam disto, como com certeza a direção estadual, da qual a ministra Gleisi, que já foi presidente da agremiação, faz parte também. A cidade só possui 16 mil habitantes.
Como o “coroné” é bom de voto, e a nova eleição para o governo se aproxima, o fato de ele ter seduzido e violentado menores incapazes se tornou "coisa secundária".
Os que o nomearam agora juntamente terão de arcar com as consequências deste sujo oportunismo eleitoreiro, Não adiantando após o escândalo ter ido se esconder, mesmo que seja na China.
 
Ficamos na espera que ele seja condenado, e que dentro da cadeia a “justiça dos presos” também seja feita.
Os duques 14 ansiosamente o esperam!!!
 
Fonte: Blog 'Molina soltando o verbo'.

Nenhum comentário:

Postar um comentário