Follow by Email

Total de visualizações de página

Sou muito humorado. Se bem ou mal, depende da situação...

Em 1989 o HIV invadiu meu organismo e decretou minha morte em vida. Desde então, na minha recusa em morrer antes da hora, muito aconteceu. Abuso de drogas e consequentes caminhadas à beira do abismo, perda de muitos amigos e amigas, tratamentos experimentais e o rótulo de paciente terminal aos 35 quilos de idade. Ao mesmo tempo surgiu o Santo Graal, um coquetel de medicamentos que me mantém até hoje em condições de matar um leão e um tigre por dia, de dar suporte a meus pais que se tornaram idosos nesse tempo todo e de tentar contribuir com a luta contra essa epidemia que está sob controle.



Sob controle do vírus, naturalmente.



Aproveite o blog!!!



Beto Volpe



segunda-feira, 10 de junho de 2013

NOTA DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS MUNICIPAIS E ESTADUAIS DE CONTROLE DO HIV AIDS NO BRASIL SOBRE A RETIRADA DA CAMPANHA “SEM VERGONHA DE USAR A CAMISINHA”

Pessoal, compartilho com vocês nota subscrita por diversos coordenadores estaduais e municipais de DST/AIDS de todo o Brasil sobre o vergonhoso e mais recente episódio de censura no Ministério da Saúde. Os gestores já se posicionaram, falta a sociedade civil tomar uma atitude à altura do desrespeito com que a luta contra a epidemia de AIDS vem sendo tratada.
Beto Volpe
 
Descrição da imagem: close na boca de um homem que está sendo fechada por um zíper.
 
NOTA DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS MUNICIPAIS E ESTADUAIS DE CONTROLE DO HIV AIDS NO BRASIL SOBRE A RETIRADA DA CAMPANHA “SEM VERGONHA DE USAR A CAMISINHA”
A epidemia da infecção pelo HIV constitui-se um fenômeno global e dinâmico determinada por fatores epidemiológicos e sócio-comportamentais compatíveis com as características de cada sociedade.No Brasil, a epidemia tem se mostrado de uma forma concentrada em alguns grupos populacionais expostos a um maior risco de infecção pelo HIV, dentre os quais se encontram os homens que fazem sexo com homens, os usuários de drogas e as (os ) profissionais do sexo. 
Os importantes esforços adotados ao longo de mais de três décadas de enfrentamento da AIDS no país ainda não se mostraram suficientes para alterar este cenário epidemiológico que se associa a grande carga de estigma e preconceito sobre algumas populações, sobretudo as mais excluídas, o que colabora fortemente para as profundas desigualdades da sociedade brasileira.
Os Programas Estaduais e Municipais vinculados as Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde, de diversas regiões do país, inconformados com a retirada da campanha “Sem vergonha de usar camisinha” que marcava o Dia Internacional das Prostitutas, através desta nota, manifestar sua preocupação com a restrição de campanhas de informação à sociedade em geral sobre os fatores que aumentam a vulnerabilidade desses segmentos populacionais específicos, entre elas as profissionais do sexo.
 Entendemos que essas informações devam ser transmitidas de forma clara e direta, com objetivo de contribuir não só para reduzir a ignorância frente à diversidade humana, mas sobretudo, para diminuir riscos à saúde e garantir direitos a todos os cidadãos brasileiros.  Esta população apresenta alta prevalência (6%) de infecção pelo HIV, comparada a população geral (0.42%). A promoção da autoestima, do auto cuidado, da participação na formulação de politicas públicas e dos direitos de profissionais do sexo, assim como de todas as populações mais vulneráveis deve fazer parte da estratégia brasileira de prevenção das DSTs e do HIV/Aids.
Defendemos políticas públicas pautadas na ética, na promoção da saúde e na cidadania, independentemente de raça, credo, orientação sexual ou escolhas profissionais. Somos programas e áreas técnicas de Controle de DST AIDS de Secretarias de Saúde comprometidas com a garantia dos direitos humanos e com os princípios do Sistema Único de Saúde. 
Assinam abaixo os seguintes coordenadores de Programas Brasileiros de Prevenção ao HIV/AIDS

Almir Santana – Cordenação Estadual de DST AIDS de Sergipe
Alzira Rosvita Vaz da Silva, psicóloga, coordenadora municipal de AIDS de Santa Cruz do Sul – RS
Alzira Rosvita Vaz da Silva, psicóloga, coordenadora municipal de AIDS de Santa Cruz do Sul – RS
Clair Bernardete Bortolotto - Coordenadora do Programa Municipal de DST/HIV/Aids de Blumenau SC
Cristina Alves de Abreu - Coordenação Municipal de DST/AIDS de Tiimon-MA
Denise Marinho – Coordenação do Programa Municipal de DST/AIDS de A. Búzios
Denise Pires -  Gerência DST AIDS Sangue e Hemoderivados  da SES – RJ
Dra Carmen Shirley Liberatori Gimaiel – Secretaria Municipal da Saúde de Birigui
Fábia Lisboa – Coordenação do Programa Municipal de DST/AIDS de Niterói
Fábia Lisboa de Souza Assessoria de DST/AIDS e Hepatites Virais de Niterói 
Fátima Regina de Almeida Lima Neves  - Coordenação do Programa Municipal de DST/Aids e Hepatites Virais - Ribeirão Preto/SP
Fátima Regina de Almeida Lima Neves - Coordenadora do Programa Municipal de DST/Aids e Hepatites Virais Ribeirão Preto/SP
Gerson Barreto Winkler  - Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre
Goher Lima Gonzalez – Coordenadora do Programa DST/AIDS de Itanhaém/SP
Gustavo Guimarães – Coordenação do Programa Municipal de DST/AIDS do RJ
Ilham El Maerrawi Coordenação do  Programa DST/Aids/hepatites – São Vicente- SP
Luana Saraiva - Coordenadora DST/AIDS - Coordenação do Serviço de Atenção Especializada em DST/AIDS do município de Carazinho/RS
Luana Saraiva - Coordenadora DST/AIDS Carazinho – RS
Luzia Martins Sobrinha -  Coord. Municipal de DST/AIDS e  Hepatites Virais Secretaria Municipal de Saúde –SEMSA Prefeitura Munical de Tabatinga-Amazonas
Luzia Martins Sobrinha Coord. Municipal de DST/AIDS e  Hepatites Virais - Tabatinga-Amazonas
Maria Clara Gianna – Coordenação do Programa Estadual DST/Aids de São Paulo,
Maria Gabriela Moraes Teixeira de Sá – Coordenação Municipal de Sapucaia RJ
Maria Inês Ferreira – Coordenação Municipal de DST AIDS e Hepatites Virais de Petrópolis – RJ
Marília Moraes – Coordenação do Programa Municipal de DST/AIDS de Sapucaia
Mônica Bandeira - Área Técnica de DST/aids SMS de Palmas - TO
Nivia Soares – Coordenação do Programa Municipal de DST/AIDS de Mendes
Osvaldina Silva Mota - Coordenação Estadual de DST/AIDS do Maranhão
Patrícia Maria Galli Lourenço Beraldo Belão  - Programa de DST/AIDS de São João da Boa Vista
Patrícia Maria Galli Lourenço Beraldo Belão - Programa de DST/AIDS de São João da Boa Vista
Renato Guimarães – Coord. do Programa Municipal de DST/AIDS de Natividade
Ricardo Brasil Charão - Seção Estadual de Controle das DST/Aids - Departamento de Ações em Saúde - Secretaria Estadual da Saúde / RS
Rosa Maria Brás Roque - Coordenadora do programa DST/AIDS/Hep virais - Aparecida – SP
Sandra Fagundes - Coordenadora Estadual da SESA ES
Shirleide Doxa de Sousa Matias - Coordenação Municipal em DST/Aids de Balsas.
Teresa Pólo – Coordenação Municipal de DST AIDS de Nova Friburgo.
Viviane Braga – Coordenação do Programa Municipal de DST/AIDS de Tanguá

Nenhum comentário:

Postar um comentário