Follow by Email

Total de visualizações de página

Sou muito humorado. Se bem ou mal, depende da situação...

Em 1989 o HIV invadiu meu organismo e decretou minha morte em vida. Desde então, na minha recusa em morrer antes da hora, muito aconteceu. Abuso de drogas e consequentes caminhadas à beira do abismo, perda de muitos amigos e amigas, tratamentos experimentais e o rótulo de paciente terminal aos 35 quilos de idade. Ao mesmo tempo surgiu o Santo Graal, um coquetel de medicamentos que me mantém até hoje em condições de matar um leão e um tigre por dia, de dar suporte a meus pais que se tornaram idosos nesse tempo todo e de tentar contribuir com a luta contra essa epidemia que está sob controle.



Sob controle do vírus, naturalmente.



Aproveite o blog!!!



Beto Volpe



sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

HIV: Nova vacina terapêutica anima pesquisadores

 

Pessoal, é aquilo: a qualquer momento seremos surpreendidos, da mesma forma como o fomos pelo surgimento 'precoce' do coquetel. Ainda que caminhemos em um vale tenebroso, não percamos a fé, seja ela em algum Deus ou na Ciência, pois muitas e muitas possibilidades estão sendo estudadas através de novas e maravilhosas tecnologias do terceiro milênio.
 
Viva a Vida!
 
Beto Volpe

 
Cientistas espanhóis dizem que estão impressionados com os resultados de uma vacina terapêutica que pode, temporariamente, ativar o sistema imunológico para lidar mais eficazmente com o vírus HIV em pacientes infectados.
A vacina, baseada em células imunes expostas ao HIV, que foi inativado pelo calor, foi testada num grupo de 36 pessoas portadoras do vírus, e os resultados foram surpreendentes.
"O que fizemos foi dar instruções ao sistema imunológico para que ele pudesse 'aprender' a destruir o vírus, o que ele não faz naturalmente". Disse Felipe Garcia, um dos cientistas da equipe do Hospital Universitário de Barcelona
A vacina, que trata a doença existente, ao invés de preveni-la, é segura e proporcionou uma queda dramática na quantidade do vírus HIV, detectado em alguns pacientes, apontou o estudo, publicado na quarta-feira na revista "Science Translational Medicine".
Antes da aplicação da vacina terapêutica, os pacientes ficaram um tempo sem receber os remédios antirretrovirais para que os pesquisadores pudessem medir a contagem do vírus em seu sangue, e comparar o "antes" e o "depois" da vacinação.
Isso pode ter dado ao vírus um fôlego extra para que ele voltasse a se multiplicar mesmo após a imunização. Em princípio, seria possível resolver isso aplicando diversas doses da "vacina de células" - uma tática que é usada no caso das vacinas convencionais. Outra possibilidade, dizem os cientistas, seria vacinar as pessoas enquanto elas ainda estão tomando os remédios
Depois de 12 semanas de estudo, a carga viral diminuiu em mais de 90% entre 12 dos 22 pacientes que receberam a vacina. Apenas um dos 11 pacientes que receberam uma injeção de controle (placebo) teve um resultado semelhante.

A vacina perdeu a eficácia a partir da 24º semana, quando os pacientes tiveram que voltar para a terapia regular de antirretrovirais. De qualquer forma, bem melhor do que ter de continuar com o consumo perpétuo dos medicamentos, que além de caros, trazem diversos efeitos colaterais.

"Esta investigação abre o caminho para estudos adicionais com o objetivo final de conseguir uma cura funcional - o controle da replicação do HIV por longos períodos ou uma vida inteira sem tratamento antirretroviral", disseram os pesquisadores em comunicado.

"Embora ainda não seja uma cura funcional, os resultados publicados abrem a possibilidade de conseguir uma vacina terapêutica ideal, ou uma combinação de estratégias, que inclui uma vacina terapêutica, e que poderia ajudar a alcançar esse objetivo", acrescentaram.
Os pesquisadores passaram cerca de 7 anos para chegar a este ponto. Agora vão continuar seu trabalho e se concentrar no aprimoramento da vacina combinando-a com outras vacinas terapêuticas para os próximos três ou quatro anos.
 

2 comentários:

  1. Otima noticia em março fara um ano q me contamine passei por uma fase muito pessimista. Todavia, ela foi curta graças a Deus. Acredito q teremos uma cura e tratamentos muito melhores. A onda de novidades me parece crescente pelo menos desde q comecei a acompanhar de perto esta doença. @012 foi um ano bom em se tratando de ciencia x hiv. Espero q 2013 seja ainda melhor aguardo os capitulos dessa batalha que seram editados nas conferencias a proxima e o CROI. Beto queria te fazer uma pergunta : A lipodistrofia é,realmente, menos comum atualmente ? E possivel mascara-la com exercicios fisicos ? Beto só mais uma coisa: Ver uma pessoa como vc com maid de 20anos lutando com o hiv e continuando a acreditar na cura me faz muito forte.Obrigado! =]

    ResponderExcluir
  2. Que bom que a fase pessimista já foi embora, agora o caminho é só pra cima. Tenho certeza que teremos cada vez mais novidades até que chegue a tão aguardada, a cura. Sim, é possível vc mascarar a perda de gordura com exercícios físicos. E fica bom, viu? O povo da academia vivia admirando a minha 'definição' (rsrsrs, sem gordura os músculos ficam tinindo!). Obrigado pelo carinho!

    ResponderExcluir