Follow by Email

Total de visualizações de página

Sou muito humorado. Se bem ou mal, depende da situação...

Em 1989 o HIV invadiu meu organismo e decretou minha morte em vida. Desde então, na minha recusa em morrer antes da hora, muito aconteceu. Abuso de drogas e consequentes caminhadas à beira do abismo, perda de muitos amigos e amigas, tratamentos experimentais e o rótulo de paciente terminal aos 35 quilos de idade. Ao mesmo tempo surgiu o Santo Graal, um coquetel de medicamentos que me mantém até hoje em condições de matar um leão e um tigre por dia, de dar suporte a meus pais que se tornaram idosos nesse tempo todo e de tentar contribuir com a luta contra essa epidemia que está sob controle.



Sob controle do vírus, naturalmente.



Aproveite o blog!!!



Beto Volpe



quarta-feira, 4 de julho de 2012

Se você pensa que HIV é gripe... HIV não é gripe, não...

Descrição da imagem: aparelhinho para o teste caseiro, branco com inscrições azuis, que mais parece um picolé.

Receber um diagnóstico de HIV+ não é nada fácil. Lembro-me detalhadamente do dia em que recebi o meu, em 1989. Da angústia que o antecedeu e da total perda de perspectivas, jogado no vazio da AIDS. Ainda bem que o exame me foi entregue por uma assistente social do CRAIDS de Santos que me deu orientações sobre o tratamento e os primeiros passos nesse mundo tão diferente e ameaçador no qual eu havia acabado de entrar. Porque, repito, não é nada fácil receber um diagnóstico de HIV+.

O tempo passou, a AIDS sofreu várias mutações, seguindo o princípio de seu causador, ampliou sua abrangência territorial e social, foi ficando mais forte à medida que a ciência lhe interpunha barreiras e os efeitos colaterais passaram a competir no ranking de mortalidade. Mas uma coisa parece não ter mudado, isso por observação minha e de outros ativistas que trabalham diretamente com pessoas vivendo com HIV: o impacto do diagnóstico, na maior parte das pessoas, ainda é desnorteador. As pessoas ficam sem chão e algumas cogitam 'fazer uma loucura'. Aí entra nosso acolhimento, que costuma tranquilizar a situação e dar condições da pessoa fazer opções mais equilibradas sobre seu futuro.

O governo norte americano, baseado em sua lógica liberal onde cada um cuida do seu, acaba de aprovar o teste caseiro para diagnosticar o vírus HIV pela saliva. Dá medo que daqui a pouco, e nao tenho dúvidas com relação a isso, o governo brasileiro aprove esse procedimento em nosso país. Desde que comecei a trabalhar com AIDS, e isso já vai pra 13 anos, sempre li em publicações relacionadas à adesão ao tratamento que a forma como a pessoa recebe o diagnóstico tem uma influência muito grande na convivência entre HIV e ser humano. Por conta disso que existe toda uma estratégia que envolve uma entrevista antes da coleta e um acolhimento após o diagnóstico, pra tirar dúvidas e, muitas vezes, acalmar a pessoa que acaba de receber o diagnóstico de uma doença fatal e repleta de preconceitos. 

Agora, imagine, noite chuvosa no centro de Sampa, num quarto e sala onde vive sozinha, uma pessoa faz o teste e dá reagente. As mesmas dúvidas e preconceitos irão rolar mas, ao invés de esclarecimento, só haverá o tal do vazio. Daí as possibilidades são inúmeras, desde rejeição à idéia e fazer de conta que nada aconteceu, até saltar sobre a avenida lá embaixo. Pode também intensificar o consumo de álcool ou outras drogas ou ainda sair por aí, num ato de rebeldia, disseminando o vírus. Outra situação: um casal de adolescentes, ou de envelhescentes, faz um pacto de amor que inclui o teste de HIV. Um deles dá reagente. E aí, é na saúde e na doença?

Os EUA têm sua maneira de agir permitindo, inclusive, anúncios de medicamentos para combater o HIV mostrando pessoas lindas e sem problemas, como um anúncio de cerveja. O Brasil tem outra realidade. Somos um povo que trata as coisas sérias com muita conveniência. O caminho mais prático é cada vez mais a primeira opção e isso, em AIDS, pode se traduzir em consequências desastrosas.

É, receber um diagnóstico de HIV+ não é nada fácil e deve ser tratado com menos banalidade. Se você pensa que HIV é gripe, HIV não é gripe, não...

Beto Volpe


4 comentários:

  1. Penso que esse descaso com o papel do Aconselhamento seja danoso e tão nocivo quanto a ignorância completa....excelente reflexão, Beto!

    ResponderExcluir
  2. Parabens Beto pela bela reportagem!! Dory

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde Beto, realmente pensei nessas mesma questões quando soube desse teste caseiro aprovado lá; mas alem de todas essas questões que você citou, vejo que deve ter muito interesse por traz do fabricante do teste em se beneficiar com isso; é uma pena que o materialismo do mundo sobressaia das questões emocionais e por que não dizer espirituais a tempos, nem tudo que é novidade foi feito para melhora do ser humano, acho que as pessoas precisam rever seus conceitos e repensarem no que é BOM para elas e não o que a mídia empurra. Espero que o Brasil veja e reveja muuuuito antes de colocar isso aqui disponivel em nosso país.Abraços

    ResponderExcluir
  4. Bem pensado Beto. Mais uma questão, será que não vai haver aquela questão de que pega pelo beijo/saliva? Vamos voltar ao início de tudo. Pega-se Aids com beijo, copos, talheres, etc...

    ResponderExcluir