Follow by Email

Total de visualizações de página

Sou muito humorado. Se bem ou mal, depende da situação...

Em 1989 o HIV invadiu meu organismo e decretou minha morte em vida. Desde então, na minha recusa em morrer antes da hora, muito aconteceu. Abuso de drogas e consequentes caminhadas à beira do abismo, perda de muitos amigos e amigas, tratamentos experimentais e o rótulo de paciente terminal aos 35 quilos de idade. Ao mesmo tempo surgiu o Santo Graal, um coquetel de medicamentos que me mantém até hoje em condições de matar um leão e um tigre por dia, de dar suporte a meus pais que se tornaram idosos nesse tempo todo e de tentar contribuir com a luta contra essa epidemia que está sob controle.



Sob controle do vírus, naturalmente.



Aproveite o blog!!!



Beto Volpe



sábado, 7 de abril de 2012

De volta para o passado!

Descrição da imagem: o professor Doc Brown, do filme ‘De volta para o futuro’, arregala os olhos de espanto com um futuro que mais se parece o passado.


Sempre ouvi falar que a humanidade, de tempos em tempos, dá um salto evolutivo chamado salto quântico. O conhecimento é multiplicado, as relações sociais sofrem diversas transformações e a raça humana começa a viver em outro patamar de civilização. Mas algo destoa nesse salto que presenciamos no início do século 21, algo que nos faz saltar de volta para um passado obscuro onde direitos humanos ainda estavam só no papel e as minorias não existiam, porque eram segregadas ou eliminadas.

Quando soube que uma garota havia sido hostilizada por toda uma turma de faculdade na moderna cidade de São Paulo, fiquei chocado com a barbaridade. Mas, além do horror de um linchamento moral, o motivo era de estarrecer: ela usava mini saia. Será que aqueles jovens ouviram falar em anos sessenta e de Brigitte Bardot? Eles souberam que mulheres lutaram bravamente para conquistar direitos, inclusive o de se sentir bem consigo mesma ao ponto de expor suas belas pernas?  

As pessoas hoje empunham a bandeira dos direitos humanos para ter o direito de proferir discursos de ódio contra negros, homossexuais, travestis, judeus, nordestinos ou seja lá qual for o motivo de tanta raiva. Pode ser mesmo uma mini saia, a vida anda tão banalizada mesmo... E dá-lhe lâmpada na cara, dá-lhe ataque em grupo, dá-lhe covardia. Os 'machos', cada vez mais, se acham no direito de TER uma mulher a seu lado e ela que não ouse se rebelar, senão dá-lhe seqüestro, dá-lhe assassinato no local de trabalho, dá-lhe tortura e morte. Afinal, ele é o chefe da casa.

O cristianismo volta a ser um pesadelo para aqueles que lutam por liberdades individuais, já escolados por episódios como as diversas inquisições da idade média, o genocídio indígena, a omissão (que alguns historiadores consideram apoio ao nazismo) na segunda guerra, a mesma coisa com a diáspora africana e o ódio a homossexuais que se materializa como censura a vídeos técnicos em saúde sob o pretexto de que Deus não quer e à oposição ao PL 122 que criminaliza o crime por homofobia, homofobia que no ano passado matou mais que nunca antes na história deste país.

Se Christopher Lloyd estivesse vivo, eu juro que iria procurar por ele. Pedir que ele me deixasse usar seu De Lorean para viajar de volta para o passado, pois as perspectivas de outrora eram de evolução, ao passo que só vemos crescer o poder da tecnologia e da comodidade em detrimento do humano e do complexo. O que antes era exceção hoje é regra e quem não a segue é um perdedor. Não estude, não hesite em pisar na cabeça de seu concorrente no trabalho, não pense duas vezes antes de agir em defesa própria, mesmo que nada o ameace. Fique em forma, pois seu futuro depende de seu físico, não de seu intelecto. 

Sabedoria pra que? O negório é embarcar na nave louca que é o mundo de hoje, onde a felicidade está ao alcance de um botão e a tristeza foi feita para, que Andy os perdoe, dar três minutos de fama a alguém. Pois o futuro é coisa do passado.

Beto Volpe

Nenhum comentário:

Postar um comentário