Follow by Email

Total de visualizações de página

Sou muito humorado. Se bem ou mal, depende da situação...

Em 1989 o HIV invadiu meu organismo e decretou minha morte em vida. Desde então, na minha recusa em morrer antes da hora, muito aconteceu. Abuso de drogas e consequentes caminhadas à beira do abismo, perda de muitos amigos e amigas, tratamentos experimentais e o rótulo de paciente terminal aos 35 quilos de idade. Ao mesmo tempo surgiu o Santo Graal, um coquetel de medicamentos que me mantém até hoje em condições de matar um leão e um tigre por dia, de dar suporte a meus pais que se tornaram idosos nesse tempo todo e de tentar contribuir com a luta contra essa epidemia que está sob controle.



Sob controle do vírus, naturalmente.



Aproveite o blog!!!



Beto Volpe



segunda-feira, 18 de abril de 2011

O PULSO AINDA PULSA

Descrição da imagem: visão em primeira pessoa de uma estrada que leva a um lugar ensolarado, mas ainda sob forte tormenta representada pelas nuvens escuras que pairam ameaçadoras.

Foto: apenasfrases.blogspot.com

Ontem pela manhã, mal refeito da maratona Reatech, a maior feira de equipamentos e tecnologias inclusivas para pessoas com deficiência da América Latina, recebi uma péssima notícia pelo Facebook: um amigo de Sampa teria seu pé amputado. Como? Semana passada havíamos comemorado sua última sessão de quimioterapia para combater um câncer que ainda não se sabe de onde veio e as perspectivas eram as melhores! Pois uma trombose decorrente do tratamento havia obstruído as finas artérias do pé e não seria possível preservá-lo. E meu amigo, matriculado no serviço público de tratamento em AIDS, na oncologia de um renomado hospital, agora está pensando em como encarar mais esse desafio de paciência e perseverança que é uma reabilitação para minimizar os impactos de uma deficiência física.

Um tanto angustiado, subi a serra logo após o almoço e após uma pequena espera fui autorizado a entrar na UTI, onde finalmente cheguei a seu leito. Muito magro, fios por todo lado (brincamos sobre sua noção de conectividade), o pé em questão coberto pelo lençol e.... O brilho no olhar! Ele estava lá, ainda que um pouco ofuscado por uma situação extrema para qualquer ser humano, mas estava lá. E era o brilho de uma pessoa que, cortejada pela Morte, insiste em sua relação com a Vida. Isso acalmou meu coração uma barbaridade, o princípio ativo estava mais ativo que nunca e a conversa transcorreu em clima de resignação e otimismo. Mas na hora da despedida não conseguimos evitar uma troca de olhares mais turvos, preocupados com o que virá amanhã.

Voltei para casa bastante abatido, fazia muito tempo que uma situação alheia não me atingia tão duramente Nem tanto pelo episódio de meu amigo, tenho certeza que ele irá superar isso tudo de forma gloriosa. Mas onde iremos parar? Os cortejos mortais têm sido cada vez mais assertivos e qualquer hora dessas não será possível resistir. Por mais que os nervos sejam de aço, a carne é fraca. Primeiro foram as oportunistas, que ceifaram muita gente querida. Aí veio a lipodistrofia, mostrando no espelho que a ameaça ainda estava por perto. Danos ósseos, problemas cardiovasculares, hepáticos, renais, tumores, hanseníase, alterações metabólicas, deficiência e demência. Dentro de pouco tempo nosso prontuário médico mais parecerá a letra de Arnaldo Antunes, da qual pincei o título deste desabafo. Música que, apesar de elencar tudo que é doença, enfatiza que o pulso ainda pulsa.

E enquanto houver pulso, há Vida.

Beto Volpe

5 comentários:

  1. É exatamente assim,Beto.
    E essa música do Arnaldo nunca sai da minha cabeça... e olha que faz tempo.

    ResponderExcluir
  2. Eunice Bemfica Martins18 de abril de 2011 11:38

    Beto, juro que eu vim ler pensando em brincar, em tirar uma onda de mais um drama, como sempre conseguimos fazer com você. Desta vez, não deu: sua angústia está aqui, em cada linha! E só posso dizer que sinto muito que as coisas estejam nesse pé (não é trocadilho infame com a situação relatada, juro!). Coragem para o seu amigo!

    ResponderExcluir
  3. Fazia tempo que a gente queria comentar no blog mas sempre faltam as palavras. Mas estamos 'estreando' como comentaristas não só para elogiar o blog, a iniciativa, os textos sempre enxutos e instigantes mas, principalmente, para mandar um abraço ao nosso grande amigo - você.
    Mantenha-se firme, forte e sempre com a alegria que todos conhecemos. De longe, estamos 'monitorando' seu
    Pulso, Pulso, Pulso, assim...

    Carlos e Cátia

    ResponderExcluir
  4. Querido Beto! tocantes as suas palavras, e tão verdadeiras... Qualquer ser humano está sujeito a trovoadas e tsunamis na vida!! O importante é manter o pulso... e a vida, enquanto nos é dado fazê-lo!! Avante, galera, que a vida é bela!! Beijos no seu coração
    Mina Regen

    ResponderExcluir
  5. Beto Querido!nosso encontro foi relâmpago... no entanto uma amizade para existir não precisa de tempo e sim de empatia, um sentimento que causa prazer no contato humano, um estado de espírito que permite a nós a identificação com outra pessoa.Portanto amigo nessa vida nada é por acaso.. e Vc em sua trajetória tem tido a missão de dar seu depoimento de força,garra e perseverança... o pulsar de suas veias é de muita coragem.. alegre-se e conte sempre comigo!! Bjin em seu coração!!
    Silvana...lindos sapatos...rsrs

    ResponderExcluir